quinta-feira, 22 de junho de 2017

Nietzsche para estressados _ 91

As pessoas se esquecem de seus erros depois de confessá-los ao outro, mas o outro normalmente não se esquece.



Nietsche afirma que “são poucos os que não revelam os segredos mais importantes de um amigo”.

Em outras palavras, somos donos do que calamos e escravos do que dizemos.
Por isso mesmo devemos tomar cuidado com o que contamos e a quem contamos, pois uma informação que para nós já não é relevante poderá ressurgir no momento menos oportuno.

É preciso ter cuidado especial com as pessoas que assumem o papel de interrogadoras para roubar nossa energia, segundo a teoria do escritor James Redfield:
Quem interroga analisa o mundo do outro com a intenção específica de encontrar algo censurável.

Quando encontra, critica esse aspecto da vida do outro. (...) Depois, este se sente inibido e intimidado, e presta atenção no que o interrogador faz e pensa, tentando não fazer nada de errado que possa ser notado.

Essa deferência psíquica fornece ao interrogador a energia que ele tanto deseja.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

terça-feira, 20 de junho de 2017

Acredite em si






Pais inteligentes formam sucessores, não herdeiros


Educar é amar, se entregar, se estressar, falhar, chorar, se alegrar, se reinventar e começar tudo de novo. Muitos amam o perfume das flores, mas não querem usar ferramentas nem sujar as mãos para cultivá-las... 

Lembre-se sempre de que pais quiseram comprar com seu dinheiro a sabedoria e a felicidade para seus filhos, políticos quiseram dominá-las com seu poder, celebridades quiseram seduzi-las com sua fama, intelectuais quiseram conquistá-las com sua cultura, e os jovens quiseram capturá-las com seu imediatismo.

Mas a sabedoria, inteligentíssima, sussurrou aos ouvidos deles: “Dinheiro, poder, fama compram a mensalidade da escola, mas não a capacidade de pensar; compram a cama, mas não o sono; compram bajuladores, mas não amigos para os dias difíceis; compram presentes, mas não uma emoção estável e profunda”. 

De fato, a sabedoria e a felicidade jamais podem ser compradas; podem apenas ser conquistadas. E, reafirmamos, são conquistadas quando nos tornamos simples seres humanos em busca de um personagem fundamental que frequentemente abandonamos nessa fascinante, porém estressante, existência: nós mesmos.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Bom Diaaaa

olá meninassssss...
passando para desejar um bom começo de semana a todas!!!


com este frio nem da vontade de sair da cama...aff...
mas bora lah, temos de trabalhar...
afinal somos brasileiros e não teremos direito a aposentadoria...hauahauhauah

se cuidem meninas lindas...
boa segunda...bj  bj

#ForçaPortugal

sexta-feira, 16 de junho de 2017

sexta é dia de balança


ta aih o resultado de uma semana sem exercícios, com feriado e aniversários...

é isso ae...
palmas pra mim
aff

quinta-feira, 15 de junho de 2017

festa



olah meninas...

passando para dizer q acabei de chegar de uma festa de aniversario DAQUELASSSS

era janta...e no final ainda comi uma fatio da bolo e sagu...
ai ai ai...amanhã a balança vai gemer... vou estar mais pesada...mas vamos q vamos...

bjaum a todas...saudades
boa noite

Nietzsche para estressados _ 90

Nossa vida nos parece muito mais bonita quando deixamos de compará-la comas dos outros.



O fato de nos compararmos com os outros não deixa de ser uma desculpa para deixarmos de lado a difícil tarefa de construir nossa própria vida.

Enquanto olhamos para o lado, observando o que fulano e beltrano estão fazendo, comparamos nossa vida à dos outros e nos lamentamos pelo que não temos.

No entanto, cada um de nós está imerso em seu caminho e o caminho percorrido pelos demais tem pouco valor para nós.

No romance Sidarta, Hermann Hesse narra o encontro do protagonista com Buda, a quem critica por pretender conduzir as pessoas por meio de sua doutrina em direção a etapas do desenvolvimento pessoal que só podem ser alcançadas com esforço próprio.

Não duvidei nem por um momento de que o senhor seja Buda e que tenha alcançado a meta suprema a que aspiram tantos milhares de brâmanes.

A libertação da morte, resultado de uma busca que levou a cabo em seu caminho, o senhor alcançou com o pensamento, a meditação, o conhecimento e a iluminação. 

Não com o uso de uma doutrina! Na minha opinião, ó Sublime, ninguém chega à libertação por meio de uma doutrina.

A ninguém, ó Venerável, o senhor poderá comunicar com palavras e mediante uma doutrina o que lhe ocorreu no exato instante de sua iluminação.

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Voltas que a vida dá _ Zibia Gasparetto


Somos livres.

A cada instante, escolhemos pensamentos, decidimos caminhos, revelando o volume das nossas conquistas e das nossas necessidades. Distraídos, alimentamos fantasias, acariciamos ilusões e brigamos por elas, acreditando que representam nossa felicidade.

A visita da verdade, oportuna, nos faz reciclar valores, modificar ideias, aprender lições novas, caminhar para a frente, desenvolvendo nosso mundo interior.

Nas mãos do amor divino, essas são as voltas que a vida dá.

Momento desabafo


        A partir de agora entre e desabafe a vontade...

terça-feira, 13 de junho de 2017

Pais inteligentes forma sucessores, não herdeiros


Formar sucessores com mentes livres e saudável. Eis o grande desafio.

"Todos ser humano passa por grandes tempestades ao longo de sua história. Para alguns, faltam alimentos na mesa; para outros, alegria no território da emoção. Uns nascem em berço de ouro, mas não conseguem descansar. 
Outros adquirem status, mas mendigam o pão da tranquilidade e da felicidade. Que pão falta em sua vida?"


quinta-feira, 8 de junho de 2017

Nietzsche para estressados _ 89

Toda convicção é uma prisão.



Existe uma história no livro La empresa fabulosa, de Gabriel García de Oro, que fala do perigo de nos deixarmos aprisionar pelas certezas que moldam nossa realidade, como adverte Nietzsche.

Um homem vivia ao lado de uma estrada, onde vendia rosquinhas deliciosas. O negócio ia tão bem que ele já não ouvia rádio, não lia jornais nem dava muita bola para a televisão. Pôde até investir em publicidade e as pessoas não paravam de comprar seus produtos. Os lucros só aumentavam e ele reinvestia cada vez mais em seu negócio.

No verão, recebeu a visita do filho, que voltava da universidade onde cursara uma pós-graduação em administração de empresas. O rapaz, ao ver tudo o que tinha o pai, indagou:

– Pai, você não escuta rádio nem lê jornais? Estamos passando por uma crise enorme. Você vai falir.

O pai pensou: “Meu filho tem estudos. É bem informado. Sabe do que está falando.” 

Assim, o homem passou a comprar menos ingredientes para reduzir sua produção de rosquinhas. Diminuiu os gastos e cortou o investimento em publicidade. As vendas caíam dia após dia e, em pouco tempo, o negócio entrou no vermelho. Então ele ligou para o filho na universidade e disse:

– Você tinha razão, filho. Estamos vivendo uma crise muito grande.

quarta-feira, 7 de junho de 2017

terça-feira, 6 de junho de 2017

Pais inteligentes formam sucessores, não herdeiros


Herdeiros são conformistas, amam a lei do menor esforço, sucessores são empreendedores, amam a lei do maior esforço.

"Todas as escolhas implicam perdas. Quem não tiver preparado para perder o trivial não é digno de conquistar o essencial. E, se formos amigos da sabedoria, descobriremos que o essencial são as pessoas que amamos." 

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Nietzsche para estressados _ 88

Você tem o seu caminho. Eu tenho o meu. O caminho correto e único não existe.



Eis o trecho de um poema de Robert Frost:

Diante de mim havia duas estradas.
Escolhi a estrada menos percorrida
E isso fez toda a diferença.

Seguindo a mesma linha, M. Scott Peck, em A trilha menos percorrida, adverte que nada é fácil quando saímos da rota mais comum:
“É humano – e sábio – temer o desconhecido, ficar ao menos um pouco apreensivo ao embarcar em uma aventura. No entanto, é somente com as aventuras que aprendemos coisas importantes.” 

Ele explica, em seu livro, que o crescimento pessoal é uma tarefa árdua e complexa, que dura a vida toda, e um caminho no qual não existem muitos atalhos, basicamente porque os atalhos são construídos, passo a passo, com as pegadas das próprias pessoas. No entanto, essa maneira de caminhar em direção ao desconhecido contém sabedoria e realização.

Para Peck, é provável que nossos momentos mais sublimes ocorram quando nos sentirmos profundamente abatidos, infelizes ou descontentes. É somente nesses momentos que, movidos pela insatisfação, seremos capazes de sair da trilha já percorrida e buscar respostas mais verdadeiras em outros caminhos.